26 abril 2009

Chave

O que mais eu aspirava
era entregar as chaves
da vida, para um vida.
E fiz. Doei-me ao mundo
ao tudo
desconhecido.
Agora, com chaves inúteis,
que abrem portas da base,
do amor, de uma vida pretérita,
são inúteis.
Em mãos, as chaves de um passado,
que mareja o olhar
que dói e machuca,
mas que já se foi.
Assisto novas chaves
de um futuro do presente
abrir portas maiores
que desejei abrir,
que vou abrir.